Interação do CAEDV com a Fundação Dorina Nowill

Por Cleusa Piovesan

O CAEDV (Centro de Atendimento Educacional Especializado de Deficiência Visual), assistência educativa aos alunos com deficiência visual (cegueira e/ou baixa visão), teve sua inserção no Colégio Estadual Rocha Pombo, em parceria com a Escola Municipal Barão de Capanema, em Capanema/PR, em 2006 e, desde então, tem desenvolvido um trabalho relevante na educação humanitária desses indivíduos (alunos e ex-alunos), cegos ou com baixa visão, ou outros acometimentos como ambiopia funcional, distúrbios e doenças progressivas visuais, oferecendo-lhes suporte didático-pedagógico para que estejam inseridos na sociedade, contemplando o Decreto Lei no 5.296/2004 que regulamenta o disposto na Lei 10.048/2000, que estabelece a prioridade de atendimento às pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, e na Lei 10.098/2000 que estabelece normas e critérios do direito à acessibilidade desses indivíduos aos bens e serviços disponíveis aos demais cidadãos: direito de acesso às escolas, às universidades, aos estabelecimentos comerciais, aos locais de cultura, de lazer e de culto. Essas leis são fiscalizadas pelo Ministério Público Federal.

Na sexta-feira, 10/09/21, o CAEDV, do Colégio Estadual Rocha Pombo, cujas responsáveis são as professoras, especialistas na área visual, Célia Lira (Estadual) e Maria Eliane Kessler (Municipal), recebeu a visita de uma ex-aluna, Cláudia Sheer, formada em Comunicação Social e em Sonoplastia, que há oito anos trabalha na Fundação Dorina Nowill, na produção de audiolivros e de audiodescrição de imagens, e como supervisora da produção de áudio com voz humana, sendo uma das responsáveis pela edição do material audiovisual que a instituição encaminha às escolas do país.

A Fundação Dorina Nowill para Cegos é uma instituição filantrópica brasileira que visa facilitar a inclusão de crianças, jovens e adultos cegos e com baixa visão, por meio de serviços gratuitos e especializados, fundada em 1946 por Dorina Nowill com apoio de amigos e pessoas interessadas. Atualmente, além de livros em braille, a instituição também produz livros em áudio, fonte ampliada e em formato digital acessível Daisy. Há também uma área responsável pela inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, dando suporte às empresas que querem contratar, levando em consideração a pessoa/profissional e não a sua deficiência.

Cláudia Sheer conversou com um grupo de educadores, envolvidos no atendimento aos deficientes visuais, entre eles, as professoras Célia Lira e Maria Eliane Kessler, o diretor Neivor Kessler, a professora de Língua Portuguesa Cleusa Piovesan, que colabora com as atividades de adaptação curricular e ofereceu-se como voluntária para a atividade de ledora de audiolivros, as pedagogas Iliane Hermann e Carla Dietz, e a aluna Adriana Cristina Henz Lunkes, que integra o programa desde sua fundação e continua recebendo assistência.

Cláudia colocou-se à disposição do colégio para intermediar contato com a fundação, a fim de subsidiar o CAEDV com material didático-pedagógico, visando a melhoria do atendimento aos deficientes visuais atendidos e colaboração em parcerias em projetos. Um deles é a produção de um livro no qual constará a documentação das atividades do CAEDV em Capanema, desde a iniciativa para sua fundação e as atividades desenvolvidas em prol da comunidade de deficientes visuais capanemense. Ofertar um trabalho que vise a educação inclusiva, em todas as áreas da Educação, principalmente aos alunos com necessidades especiais, é propiciar a valorização do ser humano!

Ler 28 vezes
Entre para postar comentários
Top