Diagnóstico precoce do Câncer de Mama garante cura em 95% dos casos
Audiência publica marcou a abertura da Campanha Outubro Rosa na Assembleia Legislativa do Paraná.. Créditos: Thais Faccio

“Este é um mês muito importante para nós, que trabalhamos nessa área”, disse o médico mastologista Cícero Urban, do centro de Doenças da Mama e do hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, durante a audiência pública que marcou o início das ações do Outubro Rosa na Assembleia Legislativa do Paraná.

Mês importante para se lembrar da prevenção e que causa muita preocupação, apresentada em números. O câncer de mama é o de maior incidência entre as mulheres, com 66 mil novos casos esperados para 2021 no Brasil e que a cada dia, provoca a morte de 48 mulheres entre 30 e 69 anos. Mas a chance de cura, segundo o médico, é de 95% quando há o diagnóstico precoce. Cícero Urban ainda pontuou que, além dos fatores de risco - genéticos, hormonais, reprodutivos - existem outros relacionados ao estilo de vida. “Estes últimos, a gente sabe que pode mudar com atividade física regular, boa alimentação e levar uma vida mais saudável, evitando principalmente o tabagismo, além, é claro, da mamografia regular”.

Estima-se que por meio de uma boa alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama. A amamentação também é considerada um fator de proteção.

Ele encerrou a fala mostrando casos reais da importância da evolução no sucesso dos tratamentos e como uma mensagem: “Você já cuidou de você hoje?”.

Para contribuir a fim de que esses números diminuam e que os cuidados sejam frequentes, o Outubro Rosa foi criado como um mês dedicado às ações preventivas à integridade da saúde da mulher, como o câncer de mama e de colo do útero, conforme a lei 16.935/2011. A audiência, foi a primeira de uma série de ações que serão desenvolvidas na Assembleia ao longo do mês.

A iniciativa desta segunda-feira recebeu o nome de “Mulher Por Inteiro”, e foi proposta pela presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Casa de Leis, a deputada Cantora Mara Lima (PSC). “São ações que, de alguma maneira, podem chegar a todas as mulheres, muitas com acesso limitado à informação, ainda hoje", destacou.

Para Claudia Gaby, paciente recuperada de um câncer de mama, não faltou orientação, nem prevenção. Mesmo assim, em 2016, num autoexame, descobriu um nódulo na mama, que dias depois, se confirmou: era um câncer em estágio avançado. “Cada notícia negativa, cada etapa do tratamento, foi tudo muito difícil. Mas enfrentei. Com fé inabalável e com médicos fantásticos, venci. Nunca precisei ficar internada. Hoje me sinto saudável. Passei. Em dezembro faz cinco anos que fiz a primeira quimioterapia. Estou curada”, relatou.

Reconstrução mamária evoluiu

Marcelus Nigro, cirurgião plástico, especialista em reconstrução mamária, falou sobre a evolução da ciência e da tecnologia nesse tipo de intervenção. “Antigamente, há cerca de 20, 30 anos, a reconstrução mamária era uma verdadeira mutilação. Atualmente, isso mudou muito”.

Demonstrando alguns dos resultados, afirmou que a reconstrução pode ser imediata, após a remoção da mama, ou tardia e que diferentes opções terapêuticas estão disponíveis, mas que elas dependem da cirurgia de remoção.

Nigro falou ainda sobre as opções de material para a reconstrução mamária, como a colocação de próteses de silicone; a técnica que utiliza os expansores mamários, utilização do próprio tecido da paciente, (autólogos); enxertos para melhorar a estética da mama; ressaltou a importância da micropigmentação da aréola; complicações; rejeições; das vantagens e desvantagens da reconstrução imediata ou tardia; do efeito psicológico que ela provoca; da importância de um bom planejamento e do diálogo com o cirurgião e com o mastologista, que vai propor qual será o tratamento. “Para o caso dos implantes, a recuperação é mais rápida, tempo cirúrgico menor e menos tempo de internação, mas cada caso é um caso. Precisamos avaliar toda a condição da mama, como por exemplo, a necessidade da paciente passar pela radioterapia. Por isso, a importância de todo um planejamento e de um bom diálogo entre o médico e a paciente”, pontuou. “Eu me sinto honrado em participar desse tratamento junto com a paciente. Sabemos o quanto ele significa para ela em termos de autoestima, porque a reconstrução mamária representa uma esperança a mais no tratamento, que, na maioria dos casos, é tão sofrido para essa paciente”, acrescentou.

Direitos das pacientes

Sabrina Matos, psicanalista, sexóloga preventiva e pedagoga, explicou, ao longo da audiência, que busca falar com as mulheres sobre o entendimento que devem ter do seu corpo, que vai muito além do ato sexual. Como voluntária do Instituto Humanista de Desenvolvimento Social (Humsol), contou que ouve histórias de todo tipo sobre como algumas mulheres são rejeitadas pelos maridos ou companheiros depois do câncer, ou até mesmo proibidas por eles de buscar os exames junto às unidades de saúde. “O nosso trabalho com as mulheres é mais que uma orientação: é o que chamo de um afago. De mostrar que elas não precisam ter medo do preconceito, e trabalhamos com as famílias, que devem respeitá-las nessa fase”, disse. A profissional também atua na busca por apoio jurídico. “Muitas mulheres não têm ideia dos direitos que têm enquanto pacientes de câncer”, reforça.

Sobre tais direitos, representando a Associação Amigas da Mama, falou a advogada Daniele Banzzatto, que lembrou: por lei federal, desde 2013, toda mulher que teve a mama retirada em função de um tumor, tem direito de fazer a reconstrução no mesmo centro cirúrgico que fez a mastectomia, que é a retirada total da mama. Também tem direito ao auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e transporte coletivo gratuito, entre outras garantias.

Daiane orientou ainda sobre a documentação básica para as pacientes: laudos, biópsias, exames médicos, guias de requisições, formulários médicos. “Essa espécie de kit precisa estar separada para um eventual benefício, isenção, tratamento, direito”, ressaltou.

Com relação ao trabalho da Associação, disse que é oferecido suporte, apoio psicológico, doações de próteses externas até que a paciente faça a reconstrução, meditação, doação de lenços, empréstimos de perucas, mobilização, campanhas, mostras, produtos, complementados com as ações do Outubro Rosa. Porém, houve baixa de mais de 80% tanto na procura por mamografias em 2020 e 2021 e redução de atendimentos na Associação nesse mesmo período. Foram atendidas 964 mulheres ano passado e até agosto passado, foram 659 atendimentos. “Nosso alerta é para que voltem. Vamos ter uma atitude feliz para com nós mesmas. Nos alimentar bem, praticar exercícios, meditação e, se porventura, venhamos a ter o câncer, que saibamos lidar com ele. Mas reforço que prevenir é agir e agir é viver”, finalizou.

Ainda sobre os direitos, Simone Beck Ribeiro, 2ª vice-presidente da Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA) e presidente do Humsol, disse que o trabalho é contínuo. Ela lembrou que as entidades lutam para que o Sistema Único de Saúde (SUS) forneça o tratamento em, no máximo, 30 dias após o diagnóstico. “Sabemos o quanto é importante que ele comece o mais cedo possível. Estamos correndo atrás de uma melhoria na legislação para que isso se concretize”, afirmou. A lei prevê atualmente que o início do tratamento seja, em até dois meses.

Simone concluiu a fala com três perguntas: “Você já fez seus exames este ano? Você tem controlado seu peso? Você tem feito atividade física regularmente? Bato nessa tecla, porque vimos o que disse o doutor Cícero Urban sobre como é importante levarmos uma vida saudável para ajudar na prevenção do câncer de mama”, finalizou.

Mitos e verdades

O mastologista Cícero Urban listou alguns mitos e verdades relacionados ao câncer de mama:

- É falso que usar desodorante é fator de risco para o câncer de mama;

- Também é falso que usar sutiã apertado é fator de risco;

- É falso que um trauma pode causar câncer de mama;

- É falso que ele só aparece em quem tem histórico familiar: a maioria das mulheres acometidas pela doença não tem histórico familiar de câncer de mama;

- É falso que, se a mãe teve a doença, a filha certamente terá - o risco é maior sim, mas não necessariamente, será câncer;

- Ultrassom não substitui mamografia – é um exame complementar;

- Autoexame não substitui a mamografia;

- Não é necessário realizar a mamografia antes dos 40 anos - a não ser que seja algum caso de alto risco;

- Mulheres que estão amamentando podem fazer mamografias;

- Homens podem desenvolver câncer de mama, mesmo que os casos sejam mais raros.

Grande expediente

No início da sessão plenária, no período da tarde, os médicos Cícero Urban, Marcelus Nigro, além de Sabrina Matos do Instituto Humsol, Claudia Gaby e Simone Ribeiro, representando a FEMAMA foram homenageados com uma Menção Honrosa entregue pela deputada Cantora Mara Lima.

Cícero Urban discursou, em nome de todos, reforçando a importância da prevenção e da adoção dos hábitos saudáveis para as chances de cura. Ele observou ainda os avanços da legislação para o acesso aos tratamentos, mas disse que ainda há muito para se avançar. “O diagnóstico e o tratamento passam a ser um direito com as leis sancionadas, mas entre a escrita e a prática, ainda tem bastante a ser feito. Muitas pacientes ainda têm dificuldade de acesso. O Brasil é muito grande. Os prazos precisam ser encurtados para que a chance seja igual para todas as mulheres”, afirmou.

Mara Lima destacou os 11 anos da campanha no Paraná, que surgiu a partir da lei de sua autoria. “Temos tido sucesso nas ações e parcerias com as entidades e precisamos cada vez mais levar conhecimento e orientação para as mulheres paranaenses para que possam se prevenir e não deixar a doença avançar”.

Eu me cuido

Mais uma ação da Campanha Outubro Rosa será desenvolvida na Assembleia Legislativa nesta terça-feira (5) das 10 horas às 13h30. Proposta pela Procuradoria da Mulher, será instalada uma SelfCam, equipamento para tirar fotos com mensagens relacionadas ao Outubro Rosa. Na ocasião, as servidoras terceirizadas da Casa que desejarem poderão se inscrever em um cadastro para o agendamento de exames preventivos na Rede Pública de Saúde.

"Esta ação faz parte de uma série de atividades da Procuradoria da Mulher, que inclui, inclusive, a promoção de exames de mamografia para funcionárias e terceirizadas da Assembleia em uma parceria com a Secretaria da Saúde. Estamos incentivando que este mesmo tipo de ação seja organizada, também, pelas nossas vereadoras nas Casas Legislativas de todo o Estado", disse Cristina.

Ler 50 vezes
Entre para postar comentários
Top