Fórum Estadual de Trânsito debate meta de redução de acidentes e cenário pós-pandemia

Conforme dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade, os acidentes de trânsito correspondem a 29% das causas externas dos óbitos no Paraná. Em 2020 foram 2.415, ou seja, 7 paranaenses por dia perderam a vida desas maneira, mesmo com o distanciamento social e a diminuição da circulação de pessoas e de veículos.

Durante a abertura do VI Fórum Estadual do Programa Vida no Trânsito do Paraná, nesta terça-feira (16), autoridades da Saúde do Estado falaram sobre a diminuição de 40% nos traumas e acidentes de trânsito durante a pandemia e que agora, com a maior circulação de pessoas nas vias públicas e rodovias, o número pode aumentar. O tema deste ano é Trânsito, Saúde e Educação: Construção de uma Agenda Convergente.

“As medidas mais rígidas tomadas na pandemia da Covid-19, com restrição da circulação de pessoas e venda de bebidas alcoólicas, refletiram nesse número. Agora, o movimento nas rodovias aumentará. Hoje o trauma é uma epidemia que ceifa a vida de muitos paranaenses, mas queremos mudar essa realidade. Uma agenda convergente pode trazer grandes resultados”, disse o secretário de Saúde, Beto Preto.

O evento online segue até a próxima quinta (18) e faz parte do Projeto Vida no Trânsito do Paraná (PVT-PR), coordenado pela Secretaria de Estado da Saúde e pelo Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR). Ele é direcionado aos profissionais que trabalham com temas relacionados à segurança no trânsito, mobilidade, prevenção de acidentes e promoção da saúde e demais cidadãos.

Nos três dias, os assuntos abordados serão a Segunda Década de Ação pela Segurança Viária da ONU, Pesquisas sobre Comportamento no Trânsito, Políticas Públicas do Ministério da Saúde e da Secretaria Nacional de Trânsito, Mobilidade Segura e Sustentável, Visão Zero, Cidades Saudáveis, Educação para o Trânsito, Campanhas de Segurança Viária e Cultura de Paz no Trânsito.

Conforme dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM/Datasus/MS/Tabnet estadual), os acidentes de trânsito correspondem a 29% das causas externas dos óbitos no Paraná. Em 2020 foram 2.415, ou seja, 7 paranaenses por dia perderam a vida dessa maneira, mesmo com o distanciamento social e a diminuição da circulação de pessoas e de veículos.

O perfil dos mais atingidos continua sendo de homens – cerca de 83% dos óbitos por acidentes de transporte terrestre em 2020 –, dos 20 aos 59 anos de idade (75%), sendo 32% motociclistas e 30% ocupantes de automóveis.

PROGRAMA – O Estado do Paraná aderiu ao projeto Vida no Trânsito em 2013, instituindo a Comissão Estadual Intersetorial de Prevenção de Acidentes e Segurança no Trânsito, como uma estratégia importante para o avanço no cumprimento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), reforçando o compromisso com a Agenda 2030 da ONU.

Também firmou pacto com o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (PNATRANS) e com o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos Não Transmissíveis no Brasil 2021 – 2030 (Plano de Dant), os quais possuem a meta de reduzir em 50% os sinistros de trânsito.

No Paraná, doze municípios já aderiram ao PVT: Campo Mourão, Cascavel, Curitiba, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão, Londrina, Maringá, Paranaguá, Paranavaí, Ponta Grossa, São José dos Pinhais e Toledo.

“Muitas pessoas envolvidas no debate sobre um tema que abrange todos nós. Podemos diminuir os traumas, as mortes e as ocorrências em nossas vias. O Fórum integra diversos órgãos para que possamos promover a segurança e a defesa da vida de forma conjunta. A meta da Agenda 2030 é reduzir em 50% dos sinistros, por isso essa articulação é tão importante", enfatizou a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes.

CONVIDADOS – Adriano Furtado, diretor operacional do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR); Antônio Paim de Abreu Júnior, superintendente da Polícia Rodoviária Federal do Paraná; Rozana Carla Rotta, coordenadora da Rede Vida no Trânsito Paraná; Mauro Gil Meger, fundador e vice-presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária; Lilian Kondo, diretora científica da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego Paraná (ABRAMET-PR); e Victor Pavarino, da Organização Pan-americana Saúde (OPAS), também participam do evento.

Ler 35 vezes
Entre para postar comentários
Top