Saúde - Jornal Novo Tempo
Na segunda-feira, 16, começou a campanha BB 200 horas pela vida que se estenderá até o dia 24, com o intuito de conscientizar as pessoas para que sejam doadoras de sangue e de medula óssea e ajudem aqueles que necessitam de uma doação para sobreviver. A campanha faz parte das comemorações dos 200 anos do Banco do Brasil que acontece neste ano.
Uma em cada três mulheres sofrerá, ao longo da vida, com a perda excessiva de cabelo. A conclusão é da Associação Norte-Americana de Queda de Cabelo.
“A boa notícia é que, na maioria das vezes, a queda será temporária”, explica o médico Gilvan Alves, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Ele destaca que, na maioria dos casos, a queda é sinônimo de troca, uma vez que os fios voltam a crescer.
A falta permanente dos fios, felizmente, é algo raro no universo feminino. De acordo com o especialista, esse é um fenômeno motivado por fatores genéticos, chamado alopecia androgênica. Para esse problema, ainda não há cura e a única solução é o implante.
Causa e Efeito
Entre as razões mais comuns para a perda de madeixas estão: dietas rigorosas, uso de anticoncepcionais, estresse, traumas cirúrgicos e transformações no corpo da mulher após o parto. “O cabelo, como um órgão cíclico, é muito sensível. Os fatores citados podem prejudicar o ciclo natural de ‘’nascimento-crescimento-queda’’, deixando algumas mulheres com falhas temporárias no couro cabeludo”, comenta.
O tratamento depende da causa. “As soluções vão desde o uso de xampus e me-dicamentos específicos até a revisão da dieta”, exemplifica o dermatologista. Já nos casos motivados por problemas sistêmicos de saúde - como alterações na tireóide, diabetes e anemia, a assistência deve ser multidisciplinar.
Mitos e Verdades
O médico destaca que existem vários mitos relacionados ao cabelo, sobretudo, a respeito da queda dos fios. “Caspa não leva à queda, pintar também não, nem lavar todos os dias, muito menos dormir com o cabelo molhado”, enumera.
O dermatologista lembra que é verdade que o volume de cabelo diminui com a idade. E para as que acham que cortando as pontas, o cabelo crescerá com mais força, ele informa que o crescimento do cabelo é geneticamente determinado.

A Escola Municipal Nossa Senhora de Fátima – EIEF de Centro Novo – Planalto, realizou com seus alunos de pré ao 4º ano, atividades em sala de aula para conscientização das crianças na luta contra o mosquito transmissor da Dengue. Além de vídeos educativos, produção de cartazes, tiveram também uma palestra com os Agentes de Endemias do município.

“Conscientizar as crianças é uma forma de chegarmos até seus pais, tios, avós, vizinhos e assim tentar o mais rápido possível acabar com esse mal.”

As fibras estão no topo do ranking dos combatentes do intestino preso. Por não serem absorvidas pelo corpo, elas aumentam o bolo fecal, facilitando sua eliminação.
Mas, para que isso aconteça, a água também precisa fazer parte do cardápio (beba, pelo menos, um litro e meio, por dia). O líquido faz com que as fibras solúveis formem uma estrutura parecida com um gel, que ajuda na passagem das fezes pelo intestino.
De quebra, as fibras ainda eliminam substâncias tóxicas e cancerígenas, protegendo o organismo de tumores no intestino e no cólon. Encontradas em verduras, legumes, cereais, grãos e farelos, basta variar o cardápio e ingerir 30 g de fibras diariamente para os resultados benéficos ao intestino aparecerem. Uma colher de sopa cheia de aveia apresenta, em média, 20 gramas. Essa quantidade equivale a um grama de fibra.
Os carboidratos complexos, encontrados nos cereais, arroz, pães e massas em suas versões integrais, somam mais uma arma contra o mau funcionamento do intestino. Ao falarmos de carboidratos complexos, nos referimos a alimentos que apresentam farinha integral em sua composição.Legumes, verduras e frutas são mais exemplos de alimentos que oferecem os carboidratos complexos. Eles contêm fibras em sua composição e, por isso, ajudam no trânsito intestinal.
* Colaboração: Selva Sierro, Setha Consultora Nutricional

A campanha de vacinação contra a gripe em pessoas com mais de 60 anos que teve seu início no sábado, 26/04, com prazo final para 09/05, foi prorrogada até o dia 16 de maio, por ainda faltarem muitos idosos para serem imunizados.

A meta do governo federal é de vacinar 80% da população em todo o território nacional. Em vários municípios da região essa meta já foi alcançada é o caso de Salgado Filho em que 100% da população já foi imunizada contra o vírus. Ampére (85%), Pinhal de São Bento (80%) e Bela Vista da Caroba (98,63%) também já alcançaram o índice, mas continuarão a campanha até o dia 16 de maio, na próxima sexta-feira.  
Os municípios de Santa Izabel do Oeste (77%) e Realeza (78,6%) ainda não alcançaram a meta, mas os índices provavelmente irão ser alcançados até o final da semana. O tempo chuvoso atrapalhou a campanha no seu início, mas se percebe que a população idosa está se prevenindo e procurando o posto de vacinação.
Nos últimos anos, o Paraná tem alcançado a meta mínima. Nos dois últimos, o número de idosos vacinados passou dos 89%, sendo mais de 770 mil em 2006, e 775 mil em 2007.
A vacina deve ser tomada por todos os homens e mulheres a partir dos 60 anos, mesmo pelos que são cardíacos, asmáticos, diabéticos, hipertensos, pelos que têm insuficiência renal e hepática, portadores sintomáticos ou assintomáticos do vírus HIV ou outro estado associado à baixa imunidade.
A orientação da Secretaria é de que os idosos levem a carteira de vacinação para controle das imunizações.
 Os idosos podem ser vacinados, também, contra tétano e difteria.
A influenza é uma doença infecciosa do sistema respiratório, de natureza viral e altamente contagiosa.
Tania Santor
Você já deve ter sido aconselhado a evitar dormir com a “barriga cheia” porque faz mal. Mas, alguma vez chegou a questionar esta dica? Especialistas ajudam a esclarecer a crendice popular.

A nutricionista Caroline Bergerot discorda. “Isto não procede. O que pode acontecer ao dormir logo após a refeição é algum desconforto, como azia ou queimação”, afirma. Ela ainda põe abaixo o mito de que jantar engorda. “Só engorda caso a pessoa coma demais. Mas se ela tiver uma refeição balanceada também não corre este risco.”
Caroline explica que uma refeição balanceada requer alimentos mais leves, comidas menos apimentadas e sem condimentos. “Uma boa alternativa é comer saladas ou massas, já que o carboidrato é de fácil digestão”, diz.
A nutricionista Fabiana Schmidt, no entanto, acredita que comer e dormir em seguida faz mal sim. “O que é mito nesta história é não poder comer carboidrato após as 18h”, diz. “O problema está no horário em que a pessoa vai dormir. Ela deve aguardar obrigatoriamente duas horas para se deitar”, afirma a especialista.
Fabiana afirma que o mais saudável é aguardar estas duas horas desempenhando alguma atividade, mas nada de exercícios físicos pesados. “A pessoa deve assistir à televisão ou ficar no computador para se manter acordada”, aconselha.
A especialista ainda alerta para alguns incômodos ocasionados pela digestão mais lenta à noite. “Como nosso metabolismo é mais lento à noite, a digestão demorada pode provocar gases pelo aumento da fermentação da comida no intestino”, diz. Fabiana dá a medida para evitar que o jantar se converta em reserva de gordura. “Sempre a janta deve ser metade ou 3/4 da quantidade do almoço.”
O gastroenterologista Thomaz Szegö afirma ser benéfico descansar após qualquer refeição. “Descansar significa repousar e não dormir. O repouso é importante porque é necessário que o sangue se concentre no aparelho digestório para realizar a digestão”, diz.
Seguindo esta linha de raciocínio, Szegö desmistifica a questão de entrar na água após comer. “Não há problema algum em comer e tomar banho ou entrar na banheira. O que não pode é nadar, pois há uma competição de irrigação sangüínea entre os músculos exigidos na natação e o sistema digestório”, explica.
Segundo o médico, é um exagero afirmar que dormir após comer faz mal. “Deitar logo após fazer uma refeição aumenta a chance de refluxo, o que pode atrapalhar o sono”, diz. O ideal, de acordo com Szegö, é não comer grande volume e evitar gorduras e frituras.

O câncer é hoje uma das doenças mais temidas pela população mundial. São mais de 200 tipos de cânceres, transformações malignas nos tecidos e órgãos do corpo, caracterizadas pela multiplicação de células defeituosas que invadem e destroem as células normais.
Os fatores causadores do problema podem ser externos ou internos ao organismo e estão ligados diretamente ao cotidiano de cada ser humano.
A maioria dos casos de câncer (80% a 90%) é causada por fatores externos e estão relacionadas ao meio ambiente, estilo de vida e hábitos (tabagismo, hábitos alimentares e sexuais, alcoolismo, fatores ocupacionais e radiação solar) próprios de um ambiente social e cultural. Estes aspectos mesclados ou de forma individual podem determinar inúmeros tipos de anomalias. Já as causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas e estão ligadas à capacidade do organismo de se defender dos ataques externos.
De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), serão registrados no Brasil, 460 mil novos casos durante o ano de 2008. Entre os homens, o caso com maior incidência, assim como nos últimos anos, continua sendo o de câncer de próstata, que atingirá aproximadamente 50 mil brasileiros, com uma média que chega a 52 novos casos a cada 100 mil homens. Pulmão, estômago, reto e esôfago também aparecem com freqüência nos números masculinos. Entre as anomalias femininas, o câncer de mama será o mais freqüente e deverá atingir 49 mil mulheres. Na seqüência aparece o câncer do colo de útero e o de pulmão.
Mesmo com o número elevado de casos no país, também existem motivos de esperança ao se analisar o câncer nos próximos anos. Pesquisas elaboradas pela Universidade do Texas, revelam que em aproximadamente 15 anos, o câncer será uma doença administrável, podendo ser detectada cedo e tratada de uma forma mais efetiva, assim como a hipertensão e a diabetes.
Enquanto a cura definitiva não é descoberta, inúmeras técnicas vêm sendo utilizadas e desenvolvidas para o tratamento da doença e dos efeitos colaterais provocados por ela. Nos países ocidentais, os tratamentos mais comuns utilizados no combate das anomalias, consistem em radiação, cirurgia e quimioterapia. Apesar de alcançarem bons resultados, os tratamentos tradicionais têm efeitos colaterais muito acentuados, gerando muitos incômodos e sofrimento. Para diminuir os efeitos negativos do câncer, as terapias alternativas vêm ganhando força, complementando os trabalhos desenvolvidos pela medicina tradicional. Entre os tratamentos alternativos, destacam-se a acupuntura e o yoga, métodos muito praticados na medicina oriental.
A acupuntura é uma técnica de tratamento chinesa, que consiste no estímulo de pontos determinados da superfície da pele e visa à recuperação global da saúde.
Recentemente, o Instituto Nacional de Saúde, dos Estados Unidos, recomendou o uso da técnica como terapia útil para aliviar diversos males do câncer, reconhecendo os grandes benefícios que ela proporciona como tratamento complementar aos efeitos colaterais causados principalmente pela quimioterapia. “A técnica pode melhorar a qualidade de vida do paciente. Atua reduzindo ou eliminando a insônia, ansiedade, fadiga, suores noturnos, enjôos, depressão leve à moderada e dores”, explica a acupunturista Thais Pamplona.  
Há mais de dez anos a acupuntura vem sendo utilizada no Instituto Nacional do Câncer, no Rio de Janeiro, como tratamento da clínica de dor do hospital, já que aproximadamente 60% dos pacientes sofrem com as dores. “A acupuntura tradicional ajuda muito na diminuição da dor, inibindo sintomas como náuseas e vômitos e outros sintomas dos efeitos colaterais da quimioterapia”, explica Thais.
 No pós-operatório, a acupuntura permite a redução das dores e a diminuição da medicação analgésica.  “Com a redução de remédios e melhora dos sintomas, certamente haverá aumento do apetite, tão importante para melhorar a qualidade de vida”, finaliza a especialista.                                                                   
Assim como a acupuntura, o yoga também vem sendo utilizado como técnica complementar aos tratamentos tradicionais e tem apresentado resultados significativos, colaborando para o aumento da qualidade de vida e maior força emocional dos pacientes.
O yoga é uma técnica milenar desenvolvida inicialmente na Índia e que colabora diretamente para a maior flexibilidade e fortalecimento do corpo humano , aumentando a vitalidade e administrando o estresse.
 De acordo com estudos realizados pelos cientistas da Escola de Medicina Albert Einstein, de Nova York, o yoga colabora diretamente para a diminuição dos efeitos do câncer, principalmente ao se tratar dos casos de câncer de mama em mulheres, diminuindo as dores geradas pelo problema e contribuindo para que as pacientes se sintam menos cansadas e que tenham um sono mais tranquilo. “O Yoga ajuda a melhorar a qualidade de vida do paciente durante a doença ou tratamento. O Yoga Restaurativo, por exemplo, cria padrões de respostas fisiológicas que são benéficas à saúde e redução do stress. Como é uma prática feita com suportes como cobertores, fitas e blocos, além da atenção total do professor, pacientes em qualquer estagio da doença ou do tratamento podem fazer. Esta prática traz ótimos benefícios para o aluno, desde a redução do stress, aumento de energia, um sono mais tranqüilo e reparador e melhora na dor”, explica a bióloga e professora de yoga Daniela Reis, proprietária do Gaya Yoga Spa. A pesquisa da Escola de Medicina Albert Einstein concluiu que o yoga traz grandes benefícios durante o tratamento, atingindo avanços físicos, de composição corporal e de auto estima. Além disso, o estudo determinou que o exercício ajuda a completar o tratamento da quimioterapia, possivelmente devido ao aumento do nível de glóbulos brancos no sangue. “O yoga faz muito bem para os pacientes, tanto no ponto de vista físico como emocional. Além dos avanços nos aspectos físicos, a meditação envolvida no processo do yoga se torna essencial para o processo de aumento de consciência, esperança e auto-percepção. Na meditação podemos criar padrões mentais positivos para a cura e recuperação da doença, e através de exercícios de visualização e respiração consciente o paciente desenvolve um maior senso de bem estar, tranqüilidade, esperança, energia e disposição”, completa Daniela.

Foram dois os motivos que fizeram a estudante Mônica Dantas, 15 anos, parar de roer as unhas. “Minha mãe vivia ficando brava comigo e eu via as unhas das minhas amigas bonitas, enquanto eu tinha só uns toquinhos”, relembra. Mas ao deixar o hábito de lado, Mônica conseguiu não apenas mãos mais bonitas, como também se prevenir de uma série de problemas ao organismo.

Conhecido cientificamente como onicofagia, o hábito de roer as unhas pode trazer uma série de lesões tanto para a unha, como para a região em volta dela. “Já cheguei a machucar os cantos dos dedos de tanto roer unhas. Tinham vezes que até sangrava”, comenta a estudante.
Segundo a dermatologista Alba Maria Clausen Trindade, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, a onicofagia pode ter conseqüências sérias, como a deformidade e até a destruição definitiva das unhas. “Se houver um dano grande na matriz da unha, ela pode não se recuperar mais, mesmo que o indivíduo pare de roê-las”, explica.
A médica salienta ainda que infecções bacterianas e virais podem prejudicar a área das cutículas, dos dedos e o contorno da boca. “Pode acontecer ainda a má oclusão dos dentes em crianças, verminoses e até a destruição das falanges dos dedos das mãos”, completa Alba Maria.
Mas não se engane, dizer que o hábito de roer unhas pode fazer mal ao aparelho digestório não passa de um mito. “Não há mal algum para o estômago, nem para o intestino. As bactérias que podem causar infecção na garganta, por exemplo, não danificam o estômago”, explica o gastrologista Thomas Szegö.
Tratamento
Há quem opte por tentar esmaltes com gosto ou receitas caseiras para afastar as pontas dos dedos da boca, mas o método não trata a causa da onicofagia, e sim suas conseqüências. “Os métodos caseiros de usar substâncias amargas que alteram o paladar no momento de roer as unhas nem sempre têm sucesso e podem até causar aumento da ansiedade no indivíduo”, explica Alba Maria.
O tratamento da onicofagia requer acompanhamento psicológico, uma vez que, em sua maioria, as causas do hábito são de fundo emocional. “Quando a pessoa está ansiosa, ela tenta de alguma maneira aliviar essa ansiedade. E roer as unhas é uma forma de aliviar os sintomas da ansiedade”, explica a psicóloga Olga Tessari.
Olga comenta ainda que o tratamento mais efetivo está em tratar a fundo as causas da ansiedade da pessoa. “Pode-se até tentar passar esmaltes, mas quando as causas da ansiedade não são tratadas, corre-se o risco de desencadear outros sintomas, como comer mais, tomar calmantes, jogar ou até mesmo beber em excesso”, conta.

Curtir a terceira idade de forma saudável e feliz faz parte dos sonhos de todos os idosos. De acordo com números da Organização das Nações Unidas (ONU), a população mundial é composta por aproximadamente 705 milhões de pessoas com idade superior aos 60 anos. Senhores e senhoras de todos os cantos do mundo buscam a receita para alcançar uma vida cada vez mais saudável.

Enquanto a “fórmula mágica” para uma vida perfeita não é descoberta, os especialistas recomendam algumas atitudes fundamentais para envelhecer de forma tranqüila, livre de problemas físicos e de saúde. Para a especialista em nutrição clínica, Teresina Mendes dos Santos, entre as atitudes recomendadas para uma vida saudável destacam-se os bons hábitos alimentares e a prática de atividade física regular que, dentre os fatores conhecidos e comprovados, é o que enfrenta maior resistência pelos idosos, devido às limitações que dificultam a execução dos exercícios. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os trabalhos físicos interferem diretamente para a melhoria da qualidade de vida, pois estimulam sistemas fundamentais do corpo humano (músculo-esquelético, respiratório, cardiovascular e nervoso central), retardando as alterações corporais relacionadas ao envelhecimento. Os exercícios colaboram também para a manutenção da densidade óssea, diminuindo a ação da osteoporose, doença responsável por graves fraturas devido o enfraquecimento e aumento da porosidade dos ossos.
As enfermidades cardíacas, os problemas com colesterol, diabetes, hipertensão, e a temida depressão também podem ser controladas com a prática de exercícios. Além de gerar inúmeros benefícios para a saúde, as atividades promovem também a socialização e estimulam o convívio em grupo.
Visando proporcionar aos idosos uma vida saudável, diversas atividades passaram a ser elaboradas para tornar os trabalhos físicos uma prática comum na terceira idade. O exercício mais praticado por pessoas com mais de 60 anos é a caminhada. Apesar de ser uma atividade simples, a caminhada pode trazer grandes avanços à saúde, pois ela exercita o sistema músculo-esquelético e principalmente o sistema cardiovascular.
Para os mais dispostos, a tradicional hidroginástica (ginástica dentro da água) colabora para a recuperação da movimentação das articulações e da flexibilidade. Diminui a tensão articular, aumenta a força e a resistência, promovendo melhorias nos sistemas cardiovascular e respiratório, contribuindo também para o relaxamento do idoso e para a diminuição das tensões mentais.
Além dos exercícios mais conhecidos, o yoga também desponta como aliada no combate ao envelhecimento. “A prática de yoga desenvolve a sensibilidade do praticante, fazendo com que ele tenha maior contato com o seu universo físico, mental e emocional. Sendo assim, colabora para a manutenção de uma boa postura corporal e com a diminuição de tensões neuromusculares, melhorando a concentração e a capacidade respiratória”, explica a bióloga e professora de yoga, Daniela Reis, proprietária do Gaya Yoga Spa.
O Gaya Yoga Spa foi planejado para remeter à sensação de tranqüilidade, relaxamento e desenvolvimento pessoal, contribuindo diretamente para que os idosos tenham momentos de harmonia na busca do bem estar e de uma vida saudável. “As turmas de yoga são pequenas, tornando possível uma atenção diferenciada para cada aluno. Além disso, o aluno não tem dias e horários determinados para a realização das aulas, podendo realizar sua prática quantas vezes por semana quiser, em horários pré-agendados pelo site. São 6 estilos de yoga diferentes e os alunos têm orientação particular para a escolha da prática de acordo com seus objetivos pessoais e necessidades”, esclarece professora de yoga.
Os idosos que acreditam que a idade é um impedimento para começar uma atividade física podem ficar despreocupados. A professora Daniela Reis afirma que a decisão de praticar trabalhos físicos pode ser tomada em qualquer momento da vida, colaborando para o bem-estar diário e para uma vida mais saudável e feliz. “Para que isto ocorra, basta estabelecer objetivos para a execução das atividades e, então, buscar, por meio de orientação profissional, o exercício adequado para alcançar as metas traçadas”, completa Daniela.

Cromoterapia
A cromoterapia é uma ciência que usa as cores para estabelecer o equilíbrio e a harmonia do corpo, da mente e das emoções. É baseada nas sete cores do espectro solar e cada cor tem uma vibração específica, atuando desde o nível físico até os mais sutis.
Shiatsu Facial e Corporal
Nascida há mais de 5.000 anos no Japão, essa técnica significa pressão (atsu) dos dedos (shi). Conhecido como acupuntura sem agulhas, o shiatsu obedece ao princípio das energias yin (negativa) e yang (positiva) e tem como objetivo alcançar o equilíbrio físico e emocional. Promove o relaxamento muscular, aliviando as regiões doloridas, tensões e stress acumulados principalmente na região do pescoço e costas.
Reflexologia Podal
É uma técnica de aplicação nos pontos reflexos dos pés, os quais estão relacionados com os órgãos internos. Nesta técnica acredita-se que pontos representativos de todos os órgãos do corpo encontram-se também nas orelhas e nas mãos. A reflexologia desbloqueia o fluxo energético, aliviando tensões e as dores, proporcionando ao paciente alívio imediato.
Auriculoterapia
A auriculoterapia é um método terapêutico que utiliza a orelha para avaliação e tratamento das disfunções orgânicas e emocionais, bem como de dores em geral. Baseia-se no princípio de que os pontos auriculares estão relacionados com as várias partes do corpo. A sua estimulação, com uso de agulhas ou sementes – método mais aceito e de melhor resultado - vai atuar nos órgãos correspondentes, auxiliando-os a encontrar o seu normal funcionamento.
Massagem Terapêutica Relaxante
Fundamental para o bem-estar e equilíbrio, é realizada através de manipulações, ou seja, amassamento com óleo ou creme em todo corpo. Seu objetivo é aliviar dores e tensões, reduzir o stress, melhorar a circulação, fazer um rejuvenescimento da pele, auxiliar quadros de rigidez articular, tendínea e ligamentar, promovendo sensação de bem-estar, relaxamento e efeito sedativo.
Aromaterapia
É a prática terapêutica que utiliza Óleos Essenciais 100% puros para a prevenção e/ou tratamento auxiliar de problemas físicos, psicológicos e energéticos, visando proporcionar o bem-estar geral do ser humano. Serve para tratar e/ou embelezar a pele, auxiliar na cura de doenças comuns, curar a alma, relaxar o corpo e a mente.
Terapia das Pedras Quentes e Frias
Tratamento que utiliza pedras vulcânicas, plutônicas e sedimentares (mármore) de tamanhos variados. Entre os benefícios proporcionados pela massagem está a melhora no fluxo de água no corpo e no sistema circulatório, aumento da circulação energética e do metabolismo, o que promove a vasodilatação em razão do calor aplicado.
*Algumas terapias alternativas são utilizadas simultaneamente com massagem relaxante.
Mariellen Chaves da Silva
Esteticista e Cosmetóloga
Centro EGON - Realeza - PR
Fone: (46) 3543-3001
Top