Sudoeste recebe R$ 352 milhões em investimentos da Copel em 2022

Em 2022, a Copel está investindo R$ 352 milhões em obras de distribuição de energia no Sudoeste do Paraná.

O montante representa 21% do valor recorde de R$ 1,634 bilhão que a companhia vai aplicar em todo o Estado. O plano de investimentos para a região inclui quatro novas subestações – como a SE Petrópolis, em Francisco Beltrão e a SE Bela Vista, em Pato Branco –, 280 quilômetros de linhas de alta tensão, a construção de redes do Paraná Trifásico e a substituição de medidores pelo programa Rede Elétrica Inteligente.

 

Os números foram apresentados pelo presidente da Copel, Daniel Slaviero, na sexta-feira (11), em Francisco Beltrão, durante um evento com representantes dos municípios da região.

 

Slaviero destacou que a Copel trabalha em três principais frentes para fortalecer o sistema na região. “A primeira é o Paraná Trifásico. São R$ 2,7 bilhões em investimentos para trifasear a rede. É o maior programa da América Latina no setor. O segundo é o Rede Elétrica Inteligente, que está investindo R$ 820 milhões, e começou aqui pelo Sudoeste. E também estamos fazendo um reforço nas equipes de manutenção e em poda e roçada”, afirmou.

 

Somente em Francisco Beltrão, município com a maior população da região, serão investidos R$ 12,8 milhões em obras de modernização e ampliação da rede elétrica. Levando em consideração o triênio 2022-2024, o plano de investimentos para a cidade totaliza R$ 30,1 milhões.

 

PROGRAMAS

O Paraná Trifásico vai concluir 800 quilômetros de novas redes em toda a região até o final do ano. As obras integram os 4 mil quilômetros de redes que o programa deve instalar ao longo de 2022, totalizando R$ 450 milhões em investimentos em todo o Estado. Com o Paraná Trifásico, a Copel melhora a qualidade no fornecimento de energia para o campo e garante mais segurança para a população. Os novos cabos com capa protetora isolante têm nível de resistência reforçada quando atingidos por galhos de árvores ou outros objetos.

 

O plano de investimentos da companhia para o Sudoeste também prevê a ampliação do Programa Rede Elétrica Inteligente, maior iniciativa de smart grid da América Latina. Até o final do ano, serão substituídos na região 260 mil medidores analógicos por modelos digitais e inteligentes. Estes equipamentos se comunicam diretamente com o Centro Integrado de Operação da Distribuição da Copel, facilitando o controle de toda a cadeia, desde a subestação até o consumidor final. Em todo o Paraná, o programa está investindo R$ 300 milhões neste ano.

 

SUBESTAÇÕES

Além dos dois programas, estão sendo construídas na região quatro subestações, cujos investimentos somam R$ 142,5 milhões. A SE Bela Vista, em Pato Branco, entrará em operação ainda em 2022. A SE Barão de Capanema, em Capanema, será concluída no ano que vem e a SE Petrópolis, em Francisco Beltrão, está em fase de licitação e deve reforçar o sistema a partir de 2024.

 

A Copel ainda está implantando a subestação Capitão Leônidas Marques, no município de mesmo nome, na divisão entre as regiões Oeste e Sudoeste, beneficiando ambas as regiões. Todas as unidades vão operar em 138 mil volts. A construção vai absorver R$ 142,5 milhões, tornando o sistema ainda mais robusto e provendo infraestrutura para o desenvolvimento da região.

 

Trabalhando para fortalecer a segurança energética no Sudoeste, a Copel ainda vai construir 280 quilômetros de linhas de alta tensão, e vai instalar 200 equipamentos automatizados e 38 sistemas de recomposição automática de redes. Estes equipamentos atuam automaticamente em caso de um desligamento, permitindo que a energia seja restabelecida de forma muito mais rápida.

 

“São obras estruturantes do sistema”, ressaltou o diretor comercial, de regulação e gestão da distribuidora Copel, Hemerson Luiz Barbosa Pedroso. Ele explicou que o plano de investimentos foi desenvolvido após uma avaliação técnica criteriosa das necessidades da região. “Estamos investindo de uma maneira mais focada, eficiente e dirigida”, acrescentou.

 

AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA

Além dos investimentos da Copel, o cliente também pode tomar medidas para garantir energia em caso de falta. A companhia autorizou recentemente a instalação de sistemas de geração solar fotovoltaica que permitem o armazenamento. O cliente que possui uma central geradora e a conecta na rede de distribuição poderá usar essa energia de acordo com a sua necessidade. No caso de desligamento causado por uma tempestade, por exemplo, o consumidor pode usar aquela acumulada enquanto a rede estiver desligada.

 

A medida favorece especialmente unidades de produção rural sensíveis à falta de energia que demandam cargas baixas, como a fumicultura e a piscicultura. A solução que permite o armazenamento chama-se inversor híbrido e é formada por baterias incorporadas. Com o equipamento, o consumidor pode escolher se usa a energia gerada pelos painéis e armazenada nas baterias ou a da rede da distribuidora. O uso do inversor foi autorizado recentemente pelo Inmetro, após anos de pesquisas realizadas para garantir a segurança da operação.

 

“Estamos vendo uma revolução na autoprodução de energia. Isso é muito benéfico para o produtor, porque reduz custos”, afirmou o presidente da Copel. “O agricultor produz mais, gera mais impostos, mais empregos e tem um produto final de melhor qualidade para o consumidor”.

 

Para adquirir os equipamentos necessários, os produtores contam com o apoio do Governo do Estado. O programa Renova PR, criado pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), apoia e fomenta a autogeração de energia elétrica no campo. O programa financia projetos de energia renovável a juro zero para agricultores e ajuda na viabilidade e competitividade dos seus negócios. Desde o seu lançamento, em 2021, já foram aprovados mais de 1.600 projetos de instalação de geração distribuída em propriedades rurais do Estado.

 

CADA CLIENTE IMPORTA

Com foco no atendimento aos clientes mais afetados por desligamentos, a Copel anunciou em dezembro de 2021 o Programa Cada Cliente Importa. A iniciativa prevê um pacote de ações focadas no consumidor final, como a contratação de mais equipes de eletricistas, elevando o número de profissionais em campo.

 

O programa pretende também aumentar em 30% o número de rotinas de inspeção e manutenção nas redes, totalizando 5,7 mil serviços, e aumentar em 50% a área de roçada. A expectativa é que, em 2022, a companhia conclua a roçada de 60 milhões de metros quadrados no entorno das redes.

 

O foco da Copel com esta iniciativa é ir além das exigências regulatórias, já que os índices globais de qualidade vêm numa trajetória de mais de 30% de melhoria nos últimos anos. Neste programa, estão previstas ações para minimizar as interrupções individuais duradouras: de maneira proativa, a Copel lançará novos indicadores para monitorar e controlar os períodos de desabastecimento de energia elétrica individualmente, cliente por cliente. Para executar esta meta, a companhia conta com investimentos em tecnologia e novas ferramentas. Fonte: AEN

Ler 99 vezes
Entre para postar comentários
Top