Administração do DPVAT mudará, mas preços não subirão
Por: Adriele Marchesini A partir de 2008, o seguro obrigatório de veículos, o DPVAT, será administrado por um consórcio próprio, que será criado com representantes das 68 empresas responsáveis pela apólice. Conforme a Superintendência de Seguros Privados (Susep), a modificação não onerará o motorista, que sentirá, no início do ano que vem, apenas o reajuste anual do impostos.
Dessa maneira, a Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização (Fenaseg) deixará de responder pelo seguro no final deste ano. Por meio de sua assessoria de imprensa, a Susep informou que a modificação já estava prevista, e que a idéia é tornar mais ágil a fiscalização e apuração das responsabilidades no pagamento de indenizações. Definições sobre o grupo e os nomes de sua composição deve ser anunciadas em breve. No bolso Vale lembrar que pesquisa divulgada recentemente pela Fenaseg mostrou que o preço do DPVAT subiu de 2005 para este ano acima da inflação. Enquanto que a apólice passou de R$ 56,77 para R$ 84,72 no período, mostrando alta de quase 50%, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 6%. Um dos motivos apontados para esse comportamento são as fraudes em indenizações. Algo em torno de 0,6% das ocorrências é comprovada como falsa, ante uma suspeita que 3% do total. O seguro O DPVAT foi criado em 1974, com a finalidade de amparar as vítimas de acidentes de trânsito. A proteção indeniza nas seguintes situações: Morte: limite de indenização em R$ 13,5 mil; Invalidez Permanente: para se apurar o valor da indenização, leva-se em conta o percentual da incapacidade de que for portadora a vítima, de acordo com a tabela constante das normas de acidentes pessoais. O limite é de R$ 13,5 mil; Despesas de Assistência Médica e Suplementares: nesta cobertura, a vítima terá direito ao recebimento de uma indenização, a título de reembolso, correspondente ao valor das despesas médicas. O limite é de R$ 2,7 mil.
Ler 793 vezes
Entre para postar comentários
Top