Regional - Jornal Novo Tempo

A linha Opala acabara de receber a mais radical reestilização de sua história, mas a cara nova não era suficiente na estratégia da Chevrolet para seu mais antigo carro de passeio. Aos faróis e lanternas retangulares se somou uma nova versão topo-de-linha. Havia de se reforçar o status do Opala, depois de 11 anos. Era o Diplomata, que suplantava o Comodoro na hierarquia do luxo da linha. Ao longo da década de 80, seu nome seria até mais forte que o do Opala, ícone dos anos 70. Sem a concorrência dos Dodge V8, que saíram de linha em 1981, nem do Galaxie e derivados a partir de 1983, ele se tornaria o único nacional de luxo a oferecer na época um motor que não fosse de quatro cilindros. Com o fim da versão esportiva SS em 1980, o Opala passou a ser regido pela sofi sticação do Diplomata.

De série, trazia ar-condicionado, direção hidráulica, rádio com toca-fitas, retrovisor do lado do passageiro, frisos de borracha nas laterais e pára-choques. Vinha nas versões cupê e sedã, 151-S de quatro cilindros, 2,4 litros e 98 cv (na nova versão a álcool; o gasolina tinha 90 cv), ou o seis-cilindros, 4,1 litros e 148 cv ou 250-S de 171 cv. O dono ainda podia pedir teto de vinil, pneus radiais, câmbio automático (no lugar do manual de quatro marchas).

Foi um exemplar como este que QUATRO RODAS testou em maio de 1980. Com motor 250-S, o sedã foi de 0 a 100 km/h em 13,02 segundos, mas a velocidade máxima foi de 161 km/h. Os elogios foram para a posição ao volante, a estabilidade e a maciez da suspensão, o isolamento acústico, acabamento e equipamentos como o ar-condicionado, lavador elétrico do pára-brisa e desembaçador traseiro. Mas o calor do escape, as frenagens de emergência acima de 100 km/h e os engates meio bruscos incomodaram.Também é de 1980 o exemplar destas fotos, do administrador de empresas Sandro Moisés Maróstica, de Campinas (SP). Trata-se de um sedã com o motor 250-S. Maróstica é apaixonado por aquele ano-modelo do Opala, tanto que já teve três outros Diplomata e um SS. "O Diplomata 1980 é um carro muito raro por ter o novo desenho quadrado e o painel antigo, o que só durou aquele ano, assim como o console com o mesmo revestimento de curvim dos bancos", diz.

Na QUATRO RODAS, o primeiro compara tivo do Diplomata se deu também com um 250-S em agosto de 1981, já com um novo painel retangular. O adversário era o recém-lançado Ford Del Rey Ouro. Ficou clara a vantagem do Diplomata em relação ao desempenho do motor com dois cilindros a menos do Ford (173,077 km/h contra 167,637 km/h de máxima). O tranco das trocas de marcha não foi sentido, porém o Ford bebeu menos, 8,68 contra 6,17 km/l.

Na edição de junho de 1983, era a vez de o Alfa Romeo ti4 encarar o Diplomata de quatro cilindros, que já dispunha de câmbio manual de cinco marchas. O texto afirmava que "... o Alfa Romeo ti4 ganha do Diplomata em desempenho, conforto, estabilidade e nível de ruído. E perde em consumo de combustível, embora nenhum deles possa ser considerado econômico. Menos ainda no preço: em maio o Alfa custava Cr$ 10 494 060 e o Diplomata, Cr$ 5 982 980...".A remodelação de 1985 deu ao Diplomata faróis de longo alcance junto aos já existentes, reduzindo o tamanho da grade, faixas laterais que davam prosseguimento aos pára-choques, maçanetas retangulares e falsas saídas de ar nas colunas traseiras. Com o novo motor de seis cilindros a álcool, rendia 134 cv. No fim do ano chegava a Caravan Diplomata.

Para 1988, a grade trapezoidal diminuiu a área dos faróis de longo alcance e as lanternas eram unidas em uma única peça vermelha que camuflava o bocal do combustível. Como opcionais, havia volante com regulagem de sete posições, temporizador dos vidros elétricos, luz interna direcional, saída de ar-condicionado para o banco traseiro, alarme antifurto e aviso sonoro de faróis ligados e porta aberta em movimento. Aos 174 km/h, o sedã de seis cilindros ainda era o nacional mais veloz no teste de novembro de 1987. Logo ele disporia de um câmbio automático ZF alemão de quatro velocidades, usado também por BMW e Jaguar. QUATRO RODAS lhe deu nota 10 em nível de ruído em outro teste. O cupê era cancelado.

Em 1990 o quatro-cilindros deixava de ser oferecida e o seis, então com 121 cv, ficava mais econômico, graças em parte ao segundo estágio a vácuo do carburador de corpo duplo. Para 1991, os pára-choques ficavam envolventes, o quebra-vento era eliminado e os retrovisores, embutidos. Os freios eram a disco nas quatro rodas e a direção hidráulica, progressiva. No ano seguinte, a série especial Collectors prenunciava o tão adiado fim do Opala e derivados. Com seu requinte e status, o Diplomata tornou possível que um dos carros nacionais mais típicos dos anos 60 e 70 resistisse até 1992, para só então abrir caminho para o Omega. Sua sobrevivência - e em grande estilo - é caso a ser estudado em escolas de marketing.

Na terça-feira (21), aconteceu uma reunião na cidade de Andresito – Argentina com a presença de autoridades dos dois países, entre elas: o prefeito de Capanema, Milton Kafer, o Intendiente de Andresito, Bruno Beck e o Juiz de Direito da Comarca de Capanema, Dr. Márcio Geron. Na reunião foi colocada em discussão a mudança do horário de funcionamento da Ponte que liga Capanema a Andresito e a possibilidade da habilitação do porto para importação e exportação de cargas.

Nos dias 16, 17 e 20 de outubro/2008 aconteceu na Faculdade de Ampére - FAMPER a celebração do Centenário da morte de Machado de Assis, encontro organizado pelo Curso de Letras através de seus acadêmicos, professores e coordenação.

Valorizar os associados, verdadeiros donos da instituição deve ser objeto principal de todas as cooperativas.

A comunidade de Lageadinho, em Pinhal de São Bento, realizou dia 12 de outubro, a 3ª Festa em homenagem à padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida.


Realeza e região terão em breve, o Centro Clínico Realeza que irá funcionar na Rua Padre Fernando Zanchett, 2842, no centro, próximo a Igreja Matriz.

Os profissionais que atenderão a Clínica são os seguintes: Dr. Leonel Caetano Guenka, médico Cardiologista; Dr. Rodrigo E. de Oliveira, médico Ginecologista e Obstetra; Drª. Viviane Maura Panizzi, médica Pediatra e Jocelaine Fabian, Nutricionista.

A data de inauguração ainda não está definida, mas os clientes terão atendimento especializado em um ambiente novo e moderno, oferecendo o melhor para a sua saúde.

Informações sobre o atendimento poderão ser obtidas pelo fone: (46) 3543-4438 na parte da tarde, de segunda a sexta-feira.

Salgado Filho sediou no sábado, 18, a penúltima etapa do concurso para a escolha do Gato e Gata 2008, uma promoção dos Formandos do Colégio Estadual José de Anchieta em parceria com os Formandos do município de Palma Sola e Anchieta (ambos de SC).

Na semana em que o mundo todo celebra a Semana da Alimentação, o município de Santa Izabel do Oeste promoveu atividades a fim de conscientizar a população sobre o tema.

A EBF – Escola Brasileira de Futebol foi fundada no ano de 2002 para um trabalho social com meninos de várias idades, sempre pensando em formar grandes cidadãos. Hoje estão sendo colhidos os frutos desse trabalho com atletas profissionais e alunos da Escola que hoje são estudantes de Educação Física que estão estagiando na Escola.

No sudoeste do Paraná, a entidade conta com um convênio com a Prefeitura de Pérola D’ Oeste, e também é realizado esse trabalho em outras cidades como Iporã, Terra Boa, Marumbi, Cruzmaltina, Rebouças, Rio Azul, Teixeira Soares, Cornélio Procópio, Santa Amélia e Foz do Jordão.

Esses convênios com as prefeituras são realizados da seguinte forma: o município dispõe do espaço e funcionários e a Escola entra com todo o material esportivo, treinamento dos instrutores e lanches para serem distribuídos após os treinamentos para os alunos.

"Com mais de 20 atletas entre profissionais e nas categorias de base dos grandes clubes brasileiros, nos sentimos com o dever comprido e a cada dia vamos buscar sem medir esforços a realização de mais jovens", disse a direção da EBF.

Os representantes da EBF e do Astral E C, realizaram em Pérola D’ Oeste uma semana de treinamentos e testes com os meninos da escolinha do município, acompanhados dos professores Claucir Teixeira, Jorge Boelter e Ricardo Perreira, o presidente da associação Wilson Galvão Oliveira o coordenador técnico esportivo professor Patrick Lucio França e o preparador físico, Professor Leopoldo Henrique Vendrami representando a Escola Brasileira de Futebol.

Os atletas perolatenses selecionados foram: Daniel Vargas, Alex Palharini, Jonas Dornelles, Victor Mateus Teixeira, Renan Karas, Felipe Giongo, Mauricio Weiller, Alan Ferraz, Rafael dos Santos, Marcos Deponti, Rodrigo Zapp e Evaldo Fritz. Os alunos tem entre 10 e 15 anos.

Foram selecionados para uma semana de treinamento de 21 a 25 e outubro na cidade de Terra Boa, os atletas Daniel Vargas e Alex Palharini. Daniel já esteve em treinamentos na sede do Astral em Curitiba.

O trabalho realizado pela Escola Brasileira de Futebol é de cidadania, educação e esporte, para que os jovens não vivam no meio do mundo do crime, os trabalhamos para que sejam grandes pessoas no futuro.

"O nosso trabalho no esporte é para que possamos formar atletas como, em alguns casos, conseguimos parceria com grandes clubes do Brasil e clubes estrangeiros. Hoje temos um atleta formado na EBF jogando pelo Marítimo de Portugal", frisaram os coordenadores.

No Brasil a Escola tem parceria com Santos, Vasco, Grêmio Portoalegrense, Coritiba, Figueirense, Flamengo, Fluminense e outros.

"Podemos citar alguns atletas que hoje disputam o campeonato brasileiro da serie A como o lateral esquerdo do grêmio Helder, o volante Sandro do Internacional e o atacante Alan do Fluminense. Esse trabalho nos deixa realizado", destaca o dirigente Galvão.

"Para nós é gratificante ver esses meninos aqui fazendo todo o esforço possível para realizar um sonho. Sabemos que nem todos serão atletas, mas o importante é se tornarem cidadãos de bem. A ida do Daniel e do Alex para Terra Boa vai fazer com que esses meninos mais novos se esforçam cada dia mais para também terem uma oportunidade", frisou o professor Jorge.

"Esperamos que desse trabalho saiam jogadores profissionais que levarão o nome do nosso município para todo o Brasil", finaliza o professor.

Top